Quinteto toca até 'Evidências' na cadência do ritmo jamaicano em disco lançado no dia em que o mundo celebra o ritmo propagado por Bob Marley nos anos 1970.

♪ Embora o Brasil comemore o Dia Nacional do Reggae em 11 de maio, data da morte do compositor jamaicano Bob Marley (1945 – 1981), cuja obra foi o principal veículo de exportação do gênero para o mundo nos anos 1970, todo o universo pop elegeu 1º de julho como o Dia Internacional do Reggae.

Pegando carona na data comemorativa do mundo, a banda paulistana Maneva lança nesta quarta-feira, 1º de julho de 2020, o álbum Tudo vira reggae.

Gravado na live feita pelo grupo em 30 de maio, na transmissão ao vivo feita na Estância Alto da Serra (SP), o disco faz jus ao título Tudo vira reggae e reapresenta sucessos de Alceu Valença, Chitãozinho & Xororó, Djavan, Hyldon, Raul Seixas (1945 – 1989) e Titãs, entre outros nomes, na cadência do ritmo jamaicano de cepa mais pop(ulista).

Embora viessem pavimentando a trajetória da banda com repertório autoral, Tales de Polli (voz e violão), Felipe Sousa (guitarra), Fernando Gato (baixo), Diego Andrade (percussão) e Fabinho Araújo (bateria) optaram pelo caminho mais fácil ao trazer para o universo do reggae esses hits alheios, colhidos no que os músicos chamam de “memória afetiva”.

Entraram no roteiro da live músicas como Anunciação (Alceu Valença, 1983), Epitáfio (Sérgio Britto, 2001), Eu te devoro (Djavan, 1998), Evidências (José Augusto e Paulo Sérgio Valle, 1989), Metamorfose ambulante (Raul Seixas, 1973) e Na rua, na chuva, na fazenda (Hyldon, 1973).

Capa do álbum 'Tudo vira reggae', da banda Maneva Divulgação As abordagens de todas essas músicas em ritmo de reggae estão incluídas no álbum Tudo vira reggae e no roteiro do show em formato de drive-in que a banda Maneva fará no sábado, 4 de julho, no ginásio Allianz Parque, na cidade de São Paulo (SP), dentro do projeto Arena sessions.

A live, o disco e o show Tudo vira reggae ocuparam o lugar, na agenda do grupo, do projeto itinerante 15 anos pelo Brasil, interrompido antes do início por conta da pandemia do covid-19.

A ideia era gerar álbum ao vivo comemorativo dos 15 anos do Maneva – banda formada em 1995 na cidade de São Paulo (SP) – com a reunião de registros de shows feitos pelo grupo de reggae nas principais capitais do Brasil, em rota que abrangeria todas regiões do país.

Por ora, o projeto itinerante está adiado e o quinteto permanece em cena, na medida do possível, com a sentença de que tudo pode virar (pop) reggae.