A pandemia de coronavírus tornou ainda mais difícil a fuga já habitual dos norte-coreanos para países vizinhos.

Com fronteiras fechadas oficialmente e maior segurança, tornando mais difícil do que nunca atravessar ilegalmente a fronteira.

O Ministério da Unificação da Coreia do Sul disse que apenas 12 refugiados norte-coreanos conseguiram chegar a Seul entre abril e junho deste ano, sendo sete pessoas em abril, duas em maio e três em junho.

Durante esses três meses do ano passado, 320 norte-coreanos chegaram à Coreia do Sul.

“O número de desertores norte-coreanos que entraram na Coreia do Sul durante o segundo trimestre deste ano foi o mais baixo de todos os tempos”, disse um porta-voz do Ministério da Unificação.

Além dos desafios de deixar a própria Coreia do Norte, a jornada pela China para alcançar outros países do Sudeste Asiático, que poderia levá-los ao Vietnã, Laos, Camboja, Tailândia ou Mongólia, também tem sido mais difícil do que o habitual devido a pandemia, com restrições de viagens e bloqueios em muitas dessas nações.

Enquanto isso, a Coreia do Norte continua alegando que não teve um único caso do vírus no país.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que a Coreia do Norte colocou em quarentena um total de 25.

551 pessoas nos últimos meses, mas aparentemente nenhuma pessoa testou positivo para o vírus.

No entanto, o grande número de pessoas que foram colocadas em quarentena mostra que o país está em uma grande luta contra o vírus.

Quando Kim Jong-un desapareceu do púbico por algumas semanas no início deste ano, ele poderia ser um dos que estavam em quarentena.

Várias fontes não estatais, incluindo o site de notícias Daily NK dirigido por refugiados norte-coreanos, alegaram que várias mortes, incluindo 180 soldados e 11 prisioneiros no campo de concentração de Chongori, foram certamente causadas pela covid-19.

As escolas e universidades fechadas no início do ano reabriram e retomaram atividades normais no início de junho.

É obrigatório o uso de máscaras em locais públicos, e não são permitidas reuniões públicas.

O país continua usando verificações de temperatura, lavagem das mãos e distanciamento social estrito para ajudar a prevenir a infecção.

Os desinfetantes estão disponíveis em locais públicos, como shopping centers, restaurantes e hotéis.

As fronteiras permanecem fechadas e todos os bens e suprimentos médicos que entram no país são mantidos por 10 dias.

Um ponto positivo é ver a Coreia do Norte cooperar com a OMS, entendendo que é a única maneira de salvar a vida de milhões de pessoas.

O governo norte-coreano entende que na situação atual o país precisa da ajuda internacional mais do que nunca.

Porém, a situação dos cristãos continua muito difícil no país.

Além de agirem secretamente, os cristãos são fortemente perseguidos pelo governo, além de serem delatados pela comunidade e, muitas vezes pela própria família.

Mais de 70 mil cristãos já foram enviados para campos de trabalhos forçados no país e centenas já deixaram a Coreia do Norte, fugindo pelas fronteiras.

Motivos de Oração Clame a Deus pelo regime norte-coreano, para que as autoridades tomem as decisões certas para ajudar os milhões de pessoas que sofrem nesta nação.

Ore para que Deus abra seus corações para ver a verdade de Jesus e Seu amor.

Ore pela providência de Deus ao povo da Coreia do Norte, que Ele cure aqueles que foram infectados e proteja aqueles que não o foram.

Peça a Deus que fortaleça nossos irmãos e irmãs para que sejam sal e luz em suas comunidades ou nas prisões em que se encontram, neste momento desafiador.